Registrar marca: entenda a importância e aprenda como fazer

Registrar marca: entenda a importância e aprenda como fazer

Não é segredo o poder que uma marca tem de alavancar produtos e empresas de qualquer atividade econômica. Seu objetivo é influenciar a percepção do público-alvo e levá-lo ao consumo de produtos que são facilmente reconhecíveis e pertencentes àquela marca que ele admira, conhece e confia.

O perigo é perder a posse da marca e, com ela, o vínculo com o público e o reconhecimento do mercado. Seria voltar à estaca zero e ter de construir toda a identidade novamente, afinal, pontos de conexão têm custo elevado e levam um bom tempo para se alcançar.

Assim, registrar marca é o ponto chave para garantir a posse legal e o direito de exploração comercial da identidade que a companhia criou, nutriu e promoveu. Não se preocupar com isso é um risco bem elevado, pois outra entidade — talvez um concorrente — pode se antecipar, fazer o registro e ganhar a posse de algo tão precioso.

Mas você sabe como se registra uma marca? O processo é mais simples do que você imagina. Veja neste passo a passo o que é preciso para garantir a sua propriedade.

Faça uma pesquisa

O primeiro ponto é saber se já existem marcas iguais e similares à sua já registradas. Para isso, pesquise no site do INPI, Instituto Nacional de Propriedade Industrial, o órgão governamental responsável pelo registro. Lá você saberá se já existem nomes, desenhos ou formas iguais ou parecidos com o seu. Quem faz a solicitação primeiro recebe a posse, por isso, se antecipe e dê início ao processo.

Defina a sua marca

Empresas diferentes podem ter o mesmo nome atuando em atividades econômicas diferentes, desse modo, você deve indicar o ramo de atuação para garantir a exclusividade de uso nele. Uma escola e uma agência digital, por exemplo, podem se chamar Audácia e não terem conflitos de marca, pois não atuam no mesmo mercado.

Como a marca é um elemento de distinção de negócio, é preciso definir sua natureza. As opções são as seguintes:

  • produto – a que diferencia produtos entre concorrentes;
  • serviço – a que diferencia serviços iguais ou similares;
  • coletiva – quando representa entidades que congregam empresas do mesmo setor, como a de uma associação de produtores ou de classe;
  • certificação – são aquelas que dão atestado de qualidade a produtos e serviços, como um selo de qualidade.

Por fim, defina as formas de apresentação. A marca pode ser composta só de um nome (nominativa), por imagem ou figura (figurativa) ou a junção dos dois (mista), além de tridimensional, quando são registrados formatos volumosos, como o de uma embalagem.

Inicie o processo de registrar marca

Todo o processo é informatizado e não necessita de intermediários. Basta entrar no site do INPI e se cadastrar. Aí será gerado uma GRU para o pagamento. O valor para se registrar uma marca pode chegar a R$ 1400, o que pode variar dependendo das etapas do processo e suas taxas. Pequenos negócios têm valores diferenciados.

O próximo passo é dar entrada no pedido, preenchendo os formulários e depositando os arquivos com a marca. Aí começa o trâmite em que prazos serão dados para contestação de outros requerentes e pesquisas por similares, tudo para que o registro garanta a sua exclusividade.

Viu como é um processo simples? Se a marca é um ativo importante do seu negócio, registrá-la lhe dá a garantia de uso e continuidade na suas estratégia de comunicação. Esse é um investimento em proteção que vale a pena ser feito.

Essas informações foram úteis? Você possui alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo, queremos saber o que você achou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *